top of page

Só a contagem integral do tempo de serviço corrigirá as assimetrias na carreira

À saída da reunião, Mário Nogueira revelou que, ao contrário do que o ME tinha informado antes, esta não foi a última reunião do processo negocial relativo à carreira.

As organizações sindicais apresentaram uma série de dúvidas e pedidos de esclarecimento (conheça aqui os pedidos de esclarecimento apresentados pela FENPROF) e os responsáveis do ME aceitaram a realização de mais duas reuniões, uma técnica e outra de negociação política, nesta também entrando as questões da monodocência.


A clarificação da proposta que o ME apresentou, contudo, não substitui o essencial: recuperar todo o tempo e eliminar vagas e quotas. O prolongamento das negociações cria novas oportunidades para defender esta posição e para os professores lutarem por ela.


Uma coisa ficou clara, declarou o Secretário-geral da FENPROF, "a única forma de corrigir estas assimetrias é a contagem integral do tempo de serviço". Por isso, os profesores não irão baixar os braços nem desistir de lutar, em concreto já a partir de 17 de abril com o início da greve por distritos no Porto e que irá percorrer o país até dia 12 de maio.


Mário Nogueira referiu, ainda, que, para além das questões relacionadas com a ordem de trabalhos, as organizações sindicais questionaram o ministério relativamente a outros assuntos, designadamente quanto às questões que integraram a ordem de trabalhos da última reunião - as questões da monodocência e dos técnicos especializados e a redução da burocracia -, mas também insistiram na necessidade de revisão do regime de mobilidade por doença.


Cá fora, durante toda a reunião, dezenas de dirigentes e delegados sindicais concentraram-se em protesto.



Consultar, ainda:

bottom of page